Star Trek: Khan

Johnson dá mais detalhes sobre Star Trek: Khan

por Ralph Pinheiro | outubro 16, 2013
 .

john harrison khanA interpretação de Benedict Cumberbatch no filme Além da Escuridão causou boa impressão à crítica e até mesmo entre os fãs. A IDW Publishing resolveu apostar numa história em quadrinhos sobre a origem desse controvertido personagem. O escritor Mike Johnson está encarregado de contar esta nova versão e falou sobre o que virá desta mini-série.

A IDW está lançando nesta quarta os quadrinhos STAR TREK: KHAN que vão contar  a origem deste vilão. Em seis edições esta mini-série mostrará os segredos de Khan do Abramsverse. Escrito por Mike Johnson e arte de Claudia Balboni, a série será supervisionada pelo roteirista do filme, Roberto Orci. Johnson concedeu algumas entrevistas onde falou (ao Comic Resourses) sobre o conflito Klingon x Romulus em Star Trek 25 e a nova história de Khan (ao SFX). Veja a seguir os principais trechos.

Onde vamos encontrar a Enterprise e sua tripulação neste novo arco dos quadrinhos Star Trek ongoing?

MJ: No início do nº 25, encontramos a Enterprise atracada em uma base estelar na borda do espaço inexplorado, com a sua missão de cinco anos começando a acontecer na sequência do filme. E nós vamos conhecer um novo membro da tripulação com o mesmo sobrenome do atual icônico da ponte da Enterprise. (que foi a irmã de Sulu)

Os Klingons ter aparecido em guerra com a Federação por um tempo. Como é que eles acabam em uma guerra com os romulanos?

MJ: Eu não posso dizer-lhe sem estragar a história, mas posso dizer que as tensões estão elevadas em toda a galáxia. Kirk e cia acabam de fazer uma visita sem serem convidados ao planeta natal Klingon no último filme, então os Klingons não estão felizes com isso. Mas sabemos do filme de 2009 que os Klingons seguraram o romulano Nero como prisioneiro durante anos. E também tinham a posse de sua nave super-avançada, a Narada. E todos – Federação, Klingons, Romulanos – viram Vulcano ser implodido.E se alguma tecnologia que causou essa catástrofe ainda está por aí, bem, isso é uma má notícia para todos.

Como caracteriza os klingons e os romulanos? De que maneira eles são iguais, e como diferem?

MJ: Eu acho que os Klingons e Romulanos compartilham o objetivo de expandir os limites de seus respectivos impérios. A diferença é a forma como eles poderiam fazer isto. Os Klingons são do tipo agressão desenfreada, sem remorso. Lutar, vencer, é ser Klingon. Os Romulanos são um tipo de agressão envolta em manipulação “civilizada”. Não é por acaso que seu nome lembra o Império Romano. Eles amam a grandeza, as táticas políticas, o jogo. Mas não hesitam em empregar grandes armas quando necessário.

Se romulanos são como os romanos, a quem você compara os Klingons?

MJ: Eu acho que os Klingons representam a velha paranóia da Europa Ocidental sobre o bárbaro clássico, como os Godos saqueando Roma, ou os mongóis varrendo a Ásia. É a idéia de um poderoso povo guerreiro, com uma cultura alienígena que ameaça o chamado mundo “civilizado”. Em Jornada, é claro, vemos que os Klingons são tão avançado quanto a Federação e os Romulanos, e são civilizados também, com suas próprias leis e tradições, embora de uma maneira diferente.

Será que Robert April foi crucial para levar a história do filme? Ele aparecerá neste arco de novo?

MJ: April não aparece neste arco, porque ele ainda está num centro de reabilitação da Frota na Terra. Mas ele estará definitivamente nesta mistura para o futuro. Um capitão do passado da Enterprise que estava em ligação com Alex Marcus, que não tem amor aos Klingons é um personagem muito suculento para deixar no banco.

Você e Orci têm discutido sobre as sementes para o terceiro filme?

MJ: Bastante! Então, basicamente, no terceiro filme, Kirk e Spock … espere, você está aí? … Eu não posso ouvi-lo … (brincou Johnson no telefone para não revelar nada).

Serão arcos agora lidando com a missão permanente de cinco anos informado no final do filme?

MJ: Sim, estamos na missão de cinco anos agora. Eles dão de cara com a ameaça galáctica do conflito Klingon/Romulano, mas depois disso, estaremos indo para o espaço profundo. Podemos topar com rostos e lugares conhecidos  lá fora, nas estrelas, mas em sua maior parte, é uma oportunidade para contar histórias que levam a Enterprise a novos lugares que não vimos nos quadrinhos, cinema ou TV antes.

Você tem personagens de “estimação” nos quadrinhos, personagens que não podem ter um holofote sobre eles nos filmes, mas você gosta de  assumir o controle total de sua caracterização nos arcos.

MJ: Eu tenho. Adotei Hendorff, também conhecido como “Cupcake”. Eu amo a idéia de que ele está servindo sob um capitão uma vez que ele deu um soco nele em uma briga de bar. Eu amo Zahra, uma redshirt que apareceu em um episódio de série original (“Operation — Annihilate!”). Ela desempenha um papel maior, e combinamos o nome de um ator de fundo que vimos em Além da Escuridão. Nós também estamos planejando dar backstories a outros novos membros da tripulação que apareceram no último filme, como o cara android na ponte.

Há quanto tempo você vem pensando em contar a história da origem de Khan?

MJ: Eu li o roteiro antes da produção começar, assim nós sabíamos, obviamente, que Benedict Cumberbatch estava no elenco, mas a ideia era mantê-lo em segredo. Principalmente porque no filme em si parte da história era sobre um segredo de quem ele é, de conhecê-lo como o cara John Harrison, e nós, como um público descobrirmos que ele é Khan quando Kirk e Spock perguntam. Então, essa era a idéia por trás de manter o personagem um segredo. E então, em termos de quadrinhos, Bob Orci sempre falou sobre serem uma oportunidade para expandir o mundo e mostrar coisas que não tiveram tempo para mostrar no filme. E isso se tornou uma espécie de idéia natural que acabaria por fazer a origem de Khan em uma história em quadrinhos, por isso durante o ano passado, nós sabíamos que isso estava chegando. E tivemos que esperar até que o filme saísse para que pudéssemos anunciar que estávamos fazendo um Khan em HQs, porque não poderíamos mesmo dizer que havia um Khan no filme. Então nós fizemos um prequel em quadrinhos “Countdown To Darkness”, mas que não poderia mostrar Cumberbatch. Nós sabíamos que iríamos fazer um monte de coisas na mini-série.

O que você usou como suas fontes? Série original? A Ira de Khan? Além da Escuridão?

MJ: Canon é o que você vê no filme, seja na TV ou no cinema, por isso estamos tomando “Space Seed”, o episódio original e A Ira de Khan, e minerando os fatos sobre a origem de Khan o máximo que podemos, coisas como milhões de pessoas morrendo nas Guerras Eugênicas. Sabemos que em “Space Seed” eles falam sobre Khan sendo o melhor dos tiranos, que ele governou com … como posso dizer? Ele não era um governante cruel. Há essa famosa linha no episódio onde dizem que ele não iniciar guerras, até que foi atacado. Então, é o tipo de pegar pequenas coisas e extrapolar, “Bem, o que isso quer dizer?”, “Como alguém o atacou primeiro e depois a guerra começou?” CBS e Paramount deram-nos muita liberdade em termos de como isso vai funcionar, e o que é ótimo é que é a primeira vez que vamos ver isso visualmente. Existem romances que têm explorado essa história pregressa de Khan, mas esta é a primeira vez que você realmente vê-lo visualizado nos quadrinhos, o que é muito legal.

De que maneira você vai usar as datas da história originais – não foram as Guerras Eugênicas originalmente concebidas para serem no final dos anos 90?

MJ: Eu não posso te dizer o que estamos fazendo com as datas até sair a edição, porque eu não quero revelar – é na verdade uma parte muito grande da história. Mas estamos colocando datas fixas sobre as coisas, como o mês e o dia nas páginas de abertura – Eu não posso dizer-lhe como será isso, mas eu posso te dizer que é do século 20. É uma grande questão, pois era um debate em curso quando Jornada foi cancelada e se tornou uma linha de tempo diferente. Porque naquela época nós estávamos chegando perto de uma Terceira Guerra Mundial, que é diferente do que foram as guerras de eugenia. No timeline original de Jornada, a III Guerra Mundial aconteceu não muito distante de agora.

Quando você escreveu, você viu Ricardo Montalban ou Benedict Cumberbatch?

MJ: Ambos. Sim, eu os vejo como ambos. Tentando captar o que Montalban trouxe para o personagem, que é uma espécie de encanto, um tipo de manipulação e charme no episódio inicial. Mas, em seguida, em Além da Escuridão, especialmente, ele é muito explosivo, como uma bala de uma arma de fogo. E você vai ver porque ele é assim, porque o alcance da mini-série será a guerra de eugenia, ao longo do tempo até a abertura de Além da Escuridão. Vamos vê-lo se acordado. Vamos ver o almirante Marcus, e vamos ver como John Harrison veio a ser no filme. E muito disso tem a ver não só porque ele parece diferente, mas porque ele está tão zangado.

Há um aspecto incomum em que você sabe no que Khan acabará por se tornar em outra linha de tempo. A versão de A Ira de Khan do personagem informou isto sobre o personagem?

MJ: Sim, definitivamente. Eu acho que há definitivamente uma tendência com vilões agora de desculpar o seu comportamento. Como algo de ruim aconteceu com eles quando eles eram crianças, seu cachorro morreu, ou não conseguiram o presente de Natal que eles queriam e é por isso que eles são do mal. Eu gosto do mal por causa do mal, em que algumas pessoas são apenas caras maus. E eu acho que com Khan,  você pode simpatizar com o fato de que em Além da Escuridão, pelo menos, ele foi acordado e seus 72 irmãos e irmãs estavam sendo mantidos como reféns. Em A Ira de Khan, você pode simpatizar porque ele foi deixado no planeta para morrer e se sentiu traído por Kirk. Então você pode escolher a simpatia, mas no final das contas, ele é um megalomaníaco que quer dominar o mundo. Ou a galáxia. E eu adoro esse tipo de linha reta, simples, direto, alguns caras são apenas ruins.

Ele deve ser um grande personagem para escrever, porque ele tem força, tem inteligência e é um vilão brilhante.

MJ: Sim, e eu não sou tão inteligente como ele. O desafio para qualquer escritor está em tentar mostrar o quão inteligente ele pode ser, e é só ter isso em mente de que ele é manipulador e inteligente, e por todos os seus pontos fortes como um Augment, toda a sua força física, ele é mentalmente mais resistente também. Ele é mentalmente mais estabelecido do que alguém que já conheceu.

O retrato de Benedict Cumberbatch é da maneira que você escreveu.

MJ: Minhas duas palavras preferidas do filme são “Cold corpses” (corpos frios). E a maneira como ele pronuncia – que é Khan. “Eu vou andar sobre seus corpos frios”. E você acredita nele. Não há nenhuma postura lá. Ele vai desfrutar do prazer de asfixiar toda a nave e caminhar sobre seus cadáveres. Então você vai ver na mini-série que mesmo quando ele era muito jovem, mesmo quando era criança, a inclinação estava lá. Algo de impiedoso estava lá. E que, tanto quanto ele foi feito para se tornar o que ele é, ele nasceu assim também.

Você disse que o almirante Marcus estará envolvido. Teremos outros personagens que conhecemos dos filmes?

MJ: Sim, teremos. Kirk e Spock aparecem (risos). Haverá uma explicação para algo que vimos em Qo’noS, que eu realmente não posso explicar ou revelar. A primeira metade é passado antes da Botany Bay, e a segunda metade é realmente referentea todas as cenas que estavam acontecendo próximas ao que vimos no filme. Então, levando até ele ao hospital e dizendo ao pai que ele pode salvar a sua filha. Nós vamos mostrar todas essas coisas, vamos ver mais sobre o funcionamento interno da Seção 31, vamos ver a Botany Bay, vamos ver como eles se encontraram, por que ele foi acordado e por que decidiram dar-lhe o nome de John Harrison. Vai preencher alguns agradáveis … eu não quero chamá-los de buracos. Você vai ter tanta coisa que poderia fazer em duas horas. E só para os fãs do filme, isso vai dar-lhes mais, eu espero.

Veja uma prévia de Star Trek: Khan (via TheTrekCollective).

Após a recuperação de Kirk. Harrison/Khan é trazido a corte da Federação para ser julgado dos crimes de genocídio e guerra em sua época. Kirk e Spock são levados ao tribunal para depoimento sobre o que ocorreu na órbita da Terra, onde causou a morte de centenas de cidadãos.

IDW Star Trek Khan #1 page 1

Harrison fica impassível, não reconhecendo a autoridade do tribunal sobre ele, mas alega inocência das acusações. No entanto, Kirk, em depoimento, diz que aquele homem presente em nada se assemelha ao verdadeiro Khan Noonien Singh, mostrando um holograma. Seria esse realmente o Khan?

khan

Harrison concorda em dizer a verdade. Assim voltamos ao ano 1972….

Aguarde pelo resumo aqui no Trek Brasilis, em breve.

Fonte: TrekWeb – TB

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s