21 anos da morte de Gene Roddenberry, criador de Star Trek

21 anos da morte de Gene Roddenberry

por  | outubro 25, 2012

Em 24 outubro de 1991, faleceu Eugene Wesley Roddenberry com seus 70 anos. Seu falecimento ocorreu um pouco antes do episódio de A Nova Geração, “Unification, Part I”, ir ao ar. Mesmo após 21 anos de sua morte, a franquia Jornada nas Estrelas continua resistindo ao tempo, com o reboot de J. J. Abrams. Aqui estão alguns fatos adicionais fascinantes sobre “O Grande Pássaro da Galáxia” que talvez você não sabia.

Quando a série The Lieutenant foi cancelada (teve só uma temporada), Roddenberry começou a planejar seu próximo seriado, uma aventura em ficção científica, intituladaJornada nas Estrelas. Na época, as séries de ficção mais conhecidas eram Buck Rogers e Flash Gordon e uma outra estava a caminho, Perdidos no Espaço. Ele escreveu a sua proposta de série em março de 1964. Inicialmente foi apresentada para a MGM. O estúdio, apesar de inicialmente interessado, recusou. Finalmente Roddenberry conseguiu vender sua idéia a Oscar Katz e Solow Herb da Desilu em abril de 1964.

Além de Jornada, Gene tinha mais dois projetos engatilhados, The Long Hunt of April Savage e Police Story, mas só Jornada foi adiante.

Em 2000, Jornada nas Estrelas entrou para o Guiness – Livro dos Recordes como  a série de maior número em produções para TV e cinema.

No ano de sua morte, Gene foi entrevistado por David Alexander (autor do livro Star Trek Creator: The Authorized Biography of Gene Roddenberry) ao longo de vários meses em suas casas em La Costa e Bel Air e em seu escritório na Paramount Studios. Veja um resumo de seu últimos comentários, onde ele aborda religião, ética, moral, censura usadas em Jornada e em um pouco de sua vida. A entrevista, por ser muito extensa, foi dividida em duas partes. A seguir a primeira parte.

Como você chegou à sua postura básica humanista? 

Roddenberry: Minha família era do sul. Minha mãe era muito religiosa. Todo domingo, íamos à igreja – Igreja Batista. Eu realmente não levo religião a sério. Era óbvio para mim, quase desde o início, que havia certas coisas que precisavam explicar e pensar, mas por que se preocupar com elas? Eu era uma criança. A vida era interessante e agradável.

Eu acho que a primeira vez que eu realmente tomei conhecimento da religião – que são as pequenas coisas que você faz quando criança porque a mãe diz para fazê-lo – foi quando eu fui para a igreja. Na minha adolescência eu decidi ouvir o sermão. Eu acho que estava em torno de 14 anos e emergindo como uma personalidade. Eu realmente nunca prestei muita atenção ao sermão antes. Eu estava mais interessado na filha do diácono.

Eu ouvi o sermão, e lembro-me do espanto completo porque o que eles estavam falando eram coisas que eram uma loucura. Era hora da comunhão, onde você recebe a hóstia e é suposto estar recebendo o corpo de Cristo e bebendo o seu sangue. Por algum tempo, fiquei intrigado com isso e confuso sobre por que eles estavam dizendo essas coisas, porque a conexão entre o que eles estavam dizendo e a realidade era muito tênue. Como diabos Jesus tornar-se algo para ser comido?

Eu acho que a partir desse momento, ficou claro para mim que a religião era em grande parte um disparate – em grande parte das coisas mágicas, supersticiosas. Em minha própria vida adolescente, eu não podia ver qualquer ponto em adotar algo baseado em mágica, que era obviamente falso e supersticioso.

Então o meu pensamento sobre religião embruteceu naquela época e eu decidi não prestar nenhuma atenção a ela… Ficou assim até que eu estava começando a fazer Jornada que o tema da religião surgiu novamente. O que trouxe a isso foi que as pessoas estavam dizendo que eu teria que ter um capelão a bordo da Enterprise. Eu respondi: “Não, nós não”. Eu acho que aprendi em algum lugar nesses anos o que muitos humanistas aprendem: se você discutir com esses tipos de pessoas, elas vão seduzir você.

Depois de envolver-se em discutir com essas pessoas, você não pode se livrar delas.

Roddenberry: sim. Então, eu apenas aceno sabiamente e finjo ir junto com elas, e gostaria de manter meus próprios pensamentos. Quando eu comecei a fazer Jornada, tornou-se quase impossívelficar com meus próprios pensamentos, porque aqui nós estávamos lidando com uma série baseada na realidade e em uma nave espacial.

Presumivelmente, cada um dos mundos que se tratavam nos episódios eram muito parecidos com a Terra em que as várias religiões devem ter surgido ao longo do tempo. Falando em religiões. Como você poderia ter um capelão, se você tem muitas pessoas de diferentes crenças e alienígenas em sua nave? Com tantos planetas a visitar, todas as pessoas a bordo da nave teriam de ser capelãs!

Houve muita pressão em você ou na emissora de incluir um capelão?

Roddenberry: Começaram e depois acabaram porque eu acho que as pessoas de inteligência perceberam que era uma situação impossível de racionalizar. Algumas vezes tivemos uma oração ou uma cerimônia quando alguém se casava. Lembro-me de alguns anos atrás, quando, em um dos filmes, o que matou Spock temporariamente. Eu tive um grande problema com os escritores e produtores, porque eles queriam fazer, realmente, uma cerimônia de funeral cristão para ele.

Para um personagem que era um Vulcano?

Roddenberry: Sim, para um vulcano. Eu disse que era ridículo. Continuei tendo problemas como esse, até que eu disse que tinha passado da hora de racionalizar tudo isso e eu tenho que ser prático sobre essas crenças, porque estou lidando com elas no dia-a-dia. Eu acho que foi o crescimento de Gene Roddenberry em seu qüinquagésimo ano.

Eu acho fascinante que na sua adolescência você começou a prestar atenção ao que os pregadores diziam em seus sermões. Você largou de mão como sendo um disparate. Você não estava envolvido em uma jornada filosófica. Simplesmente olhou para isso do ponto de vista do senso comum, pensou que era bobagem, e saiu. Esse foi o fim de tudo.

Roddenberry: sim. Eles disseram que Deus estava no alto e controlava o mundo e portanto devemos rezar contra Satanás. Bem, se Deus controla o mundo, ele controla Satanás. Para mim, a religião estava cheia de distorções e alcances da lógica que eu simplesmente não podia concordar.

Filosoficamente, você realmente não começou a examinar conceitos de Deus e do universo até que foram confrontados com Jornada e os problemas que lidar com culturas alienígenas?

Roddenberry: Eu não posso dizer que não me importava com isso, eu só a deixava passar de leve sobre mim. A religião é tão cheia de inconsistências que eu não conseguia ver nenhum propósito em discutir cada inconsistência. Era o ruído de fundo que você ignora.

Se você tivesse saído muito cedo da religião, você não teria conseguido fazer Jornada.

Roddenberry: Se eu tivesse estado rodeado por pessoas como você, eu teria saído mais cedo, mas eu nunca tive nenhuma boa razão para sair. Eu aprendi muito cedo na vida que grande honestidade sobre as coisas poderia dar-lhe trabalho, causar-lhe problemas. Eu comecei a ser desonesto dessa maneira bastante jovem.

Isso traz um personagem da série A Nova Geração: a mãe da Conselheira Deanna Troi, uma telepata Betazoid, interpretada por sua esposa, Majel Barrett.  A Sra. Troi diz exatamente o que ela sempre pensa. Os seres humanos têm alguma dificuldade em lidar com ela. 

Roddenberry: sim. Eu posso escrever algumas dessas coisas como um esforço para me perdoar. [Risos.]

É quase maquiavélico você ter colocado sua esposa nesse papel. Não vou entrar no mérito da questão.

Roddenberry: [Risos.] Sim, eu acho que não vou comentar sobre isso também.

Há um objetivo lá em mostrar que a Sra. Troi é uma pessoa muito difícil de lidar, porque ela é contundente em sua honestidade, sem quaisquer daspequenas convenções  tácitas que os seres humanos têm entre si.

Roddenberry: Ela pertence a uma sociedade onde todo mundo lê os pensamentos de todos, de modo que você não pode ser desonesto.

Gostaria de saber quanto tempo um ser humano duraria em seu planeta?

Roddenberry: Não muito.

A Nova Geração é provavelmente o programa de entretenimento mais humanista que tem na televisão – ou, talvez, nunca tenha havido na televisão. Uma das mensagens subjacentes de ambas as séries (original e Nova Geração) é que os seres humanos podem, com o pensamento crítico, resolver os problemas que estão enfrentando sem qualquer ajuda externa ou sobrenatural. Fiquei especialmente impressionado com o episódio, “Who Watches the Watchers?” A equipe de campo antropológica da Federação está observando uma cultura medieval em um planeta que, centenas de anos antes, retirou todas as crenças sobrenaturais. O capitão observa que esta foi uma realização magnífica. Então, alguma tecnologia falha e os observadores são observados. A linha da história resolve em torno de alguns desejos dos nativos para voltar a religião dos seus antepassados, uma vez que explicava, simplesmente, a existência de observadores estrangeiros. Um dos subtemas em todo o episódio foi como era fácil para algumas pessoas atribuirem aos acontecimentos inexplicáveis causas sobrenaturais em vez de pensar nas coisas. Picard passa grande parte do tempo convencendo um líder nativo que ele é um mortal e não um ser supremo.

Roddenberry: Eu sempre pensei que, se nós não temos explicações sobrenaturais para todas as coisas que podemos não entender de imediato, então este seria o caminho, como as pessoas nesse planeta. Eu nasci em um mundo sobrenatural em que todos as pessoas de minha família costumavam dizer, “Isso é porque Deus quis”, ou deram outras explicações sobrenaturais para o que aconteceu. Quando você enfrenta essas declarações por conta própria, elas simplesmente não fazem sentido. Elas estão claramente erradas. Você precisa de uma certa quantidade de provas para aceitar qualquer coisa, e que a prova não venha para apoiar essas declarações.

Uma grande parte da minha formação inicial foi devido ao meu pai que, misteriosamente, nunca apareceu na igreja. Lembro-me agora das coisas que ele dizia. Ele não achava que a igreja fosse particularmente a orientação que ele teria de seguir. Ele sentia que era bom para eu ir à igreja, mas ele ficava com um pé atrás com o que diziam os pregadores. [Risos.] Ele foi pego nesses dois modos de vida.

Minha mãe nos levava para a igreja todos os domingos, mas meu pai não ía. Ele conseguia evitar a igreja. Ele resmungava coisas como: “Se você tivesse algumas das experiências que eu tive com essas pessoas e como elas são falsas …”.

Uma vez ele foi e eu desejei que ele não tivesse ido. Era 1933, quando o grande terremoto atingiu Long Beach. Nós tínhamos alguns parentes na cidade, e meu pai fez a coisa certa e os levou para a igreja. Meu pai era muito parecido com muitos humanistas que conheci: bondoso. Ele nunca criticava alguém sobre uma questão religiosa e nunca fazia questão sobre o fato de que ele não era religioso. Eu tinha sido chamado para o palco da igreja para recitar um poema. Eu era um pouco desajeitado – talvez ainda seja – mas eu me lembro do aplauso e foi muito bom. Quando meu pai entrou na igreja um pouco mais tarde, o pregador disse: “Você tem que ver isso”, e ele me convidou para o palco de novo e eu repeti o poema. Meu pai não se aborrecia com idiotas.

Quando ele morreu?

Roddenberry: Em dezembro de 1969.

Eu vejo o poker ocasionalmente tanto na série original quanto em A Nova Geração. Eu acredito que haja um jogo de poker semanal na Enterprise.

Roddenberry: Eu concordo com Somerset Maugham, que considerou o poker como um teste de inteligência da pessoa e da decência.

Você joga com frequência? 

Roddenberry: Nós jogamos a cada duas ou três semanas.

Custou para você, ou ganhava fácil? 

Roddenberry: Eu costumo ganhar ou perder, mas eu tenho uma longa vida de poker. Meu irmão e eu aprendemos aritmética com as cartas. Aprendemos a calcular com as cartas de jogo de cartas, em particular: 15-2, 15-3, e assim por diante. Jogar cartas era uma parte muito importante da nossa família, parte do processo de crescimento e aprendizagem.

É acaso que estamos falando da família nesta parte da entrevista, depois de ter acabado de assistir o episódio “Family “, que é emocionalmente muito poderoso A cura necessária que o Capitão Picard tem que passar depois de sua invasão pessoal pelos Borgs e a interação com seu irmão mais velho foi bem dramatizada. Essa é outra marca registrada de Jornada – muitas qualidades humanas dos personagens.

Roddenberry: sim. Este é um elogio. Para fazer uma série de ficção científica e que os personagens fiquem próximos aos humanos é uma realização.

Alguns descrevem você como um moderno Jonathan Swift (escritor irlandês do século XVII). Poderia explicar isso?

Roddenberry: Eu sempre gostei de Jonathan Swift, as terras que ele foi e os personagens que ele inventou. Isso sempre me pareceu o tipo de escrita que eu estava fazendo como o que Swift fez.

Swift usou seus personagens para ressaltar estupidez de nosso próprio sistema de pensamento. Quando você vê a luta dos liliputianos (As Aventuras de Gulliver), você está assistindo a humanidade através dos olhos de Swift. Eu tenho certeza que a partir da primeira série que o trabalho de Jornada foi usar o drama e aventura como uma forma de retratar a humanidade nas suas diversas formas e crenças. O resultado foi que Jornada – da série original, que ficou ainda mais forte na segunda série – é uma expressão de minhas próprias crenças usando meus personagens para atuar em problemas humanos e equações.

Você poderia quase chamar de A Nova Geração de Roddenberry sobre a Vida.

Roddenberry: Sim, possivelmente. É difícil para um escritor não fazer isso, porque, o que mais há para escrever? Basicamente, as coisas que você escreve são sobre suas próprias crenças. É difícil para quase qualquer coisa que eu escrevo não ser Roddenberry: sobre a Vida.

Você chegou muito perto de ficar fora da televisão. Você foi muito bem-sucedido antes de Jornada, mas ficou infeliz. Antes que Jornada viesse, você queria fazer coisas que não pode fazer por causa …?

Roddenberry: Da censura! Devido ao fato de que os escritores e produtores são mais ou menos esperado, em rede de televisão, para perpetuar todos os mitos modernos: o macho é vigoroso, a batalha é o verdadeiro teste de um homem (que foi particularmente assim no faroeste), e os estereótipos sobre homens e mulheres. Se você não escrevê-los, as pessoas vão olhar para você com desconfiança e se perguntarem: “O que ele está escrevendo?” É apenas muito recentemente que tivemos uma escrita pensativa sobre a realidade na televisão. Vinte e cinco anos atrás, e por mais tempo, era quase impossível, porque primeiro houve faroestes e então havia programas policiais … Sim, eu estava prestes a produzir-lo porque não havia nenhuma maneira que eu pudesse escrever as coisas que estavam na minha mente.

Você se lembra de algum exemplo de censura desde os primeiros dias?

Roddenberry: Havia censura sobre áreas da pele que eram deixadas descobertas. Se uma menina estava com uma blusa leve e seus mamilos levantados e mostrados através da blusa, você tinha que usar band-aids sobre os mamilos. Você não poderia ter mamilos visíveis. Quanto a pele o que foi permitido mostrar costumava ser quase uma questão de geometria e medida. Lembro de fazer cenas que mostravam o interior da perna de uma mulher. Aquelas cenas foram rejeitadas porque, por algum motivo, o interior da perna foi considerado vulgar.

Se você está amaldiçoado com uma mente um pouco lógica, você faz perguntas sobre essas coisas. Eventualmente, o que você aprende a fazer é automaticamente seu próprio censor. Você diz a seus atores, “Faça o que fizer, não beije de boca aberta”. Você sabe que as coisas vão ser censuradas, e, uma vez que isso todo custa filmagem, tempo e energia, chegar a uma situação como a que eu tinha em Jornada, onde eu tive que colocar em certas coisas, porque elas eram importantes para as histórias. Isto particularmente acontece em A Nova Geração.

Tal como o primeiro beijo interracial da televisão na série original?

Roddenberry: Eu nunca considerei uma grande coisa. Por uma questão de fato, muito antes do capitão Kirk beijar a tenente Uhura [Nichelle Nichols], eu beijei-a muitas vezes. [Risos.] O beijo do capitão Kirk e a tenente Uhura foi uma parte integrante da linha de história, e isso nunca me ocorreu questionar se Kirk deveria beijar uma pessoa negra ou não. Eu tinha, por esse tempo, alcançado um certa clareza sobre essas coisas.

Agora que você está fazendo um programa em syndication, em vez de um em rede, você tem mais liberdade para dizer o que você quer dizer? Existe censura mais ou menos na televisão agora?

Roddenberry: As áreas a serem censuradas variam conforme o tempo passa. A censura que tivemos nos primeiros dias foi relacionado a pele e beijos e coisas afins. Esse nível de censura não seria aceitável hoje, porque o público está cada vez mais educado. No entanto, as coisas realmente sérias que podem ser censuradas são cerca de críticas sobre o complexo militar-industrial e de publicidade. Você tem que andar com muito cuidado em torno da publicidade, porque ela usa a televisão para aguçar o apetite e vender produtos. Você tem que ter cuidado com isso.

Você não pode escrever para televisão e ser uma pessoa completamente honesta. Eu sou um pouco mais honesto agora com A Nova Geração, mas mesmo assim eu não sou totalmente honesto, porque há muitas coisas que ainda não estão autorizados a serem discutidas.

Atitudes sexuais?

Roddenberry: atitudes sexuais é um assunto.

Certas idéias políticas?

Roddenberry: Certas idéias políticas, sim. Há um números de coisas que você não fala na televisão hoje.

Mesmo 25 anos após a série original?

Roddenberry: Sim. Menos coisas agora, com certeza, mas há coisas poderosas que você não fala.

Em breve a segunda parte dessa entrevista.

Fonte: TB

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s