Nimoy também em 8.0

Vida longa e próspera a Nimoy, Parte I

por Ralph Pinheiro | março 28  2011

O ator Leonard Nimoy completou no último dia 26, oitenta anos de idade, o mesmo que seu amigo Shatner, dedicando parte de sua vida a Jornada. Na época, quando disse ao seu pai que ía ser um ator, o mesmo respondeu que estaria confraternizando com ciganos e vagabundos. Hoje é considerado um dos atores e diretores mais respeitados de Hollywood.

Ao Star Trek.com, Nimoy lembra sua vida, os trabalhos na franquia e a esperança de ver Jornada revigorada. A entrevista foi dividida em três partes.

Vamos começar no presente, voltar ao passado e, em seguida olhar para o futuro. Então, primeiro, que deu a algumas pessoas um susto há alguns meses. O que aconteceu e como está se sentindo?

“Sim, eu tive uma surpresa. (Risos). Essa é a melhor maneira de colocá-lo. Eu estava em Massachusetts, North Adams, para fazer uma apresentação no Museu de Arte Contemporânea de Massachusetts. Eles tinham uma exposição de minhas fotografias por vários meses e eu estava lá para dar uma palestra. Estava em um hotel do outro lado da rua do museu. Estava pronto para ir em mais de uma hora ou duas e de repente eu comecei a ter dores de estômago severas. E em vez de ir ao museu, fui para o hospital e fiz uma cirurgia de cólon. Felizmente, o hospital e o médico foram excelentes e fizeram um trabalho muito bom. O resto foi apenas uma história de recuperação. Eu estou bem agora. Demorou algumas semanas, pois a cirurgia foi bastante severa, com uma incisão longa debaixo do meu peito no meu estômago. Mas eu estou bem e estou totalmente recuperado.”

Você já se aposentou, mas continuamos a ouvir – inclusive de você no seu twitter recente – que mais de Fringe pode estar no horizonte. O que está acontecendo?

“Eu fiz isso. Um episódio. Eu não posso dizer se William Bell nunca vai estar de volta ou se esse é o final da temporada. Eu pensei que o personagem estivesse acabado, mas eles vieram com uma idéia maravilhosa.”

Espere, espere. Você quis dizer final da temporada ou final da série?

“Eu não tenho qualquer resposta sobre se é temporada, ou série. Já passei por muitas ressurreições no meu tempo!”

Você ainda participa de convenções ocasionais. Por quê? É uma espécie de agradecimento aos fãs?

“É exatamente o que é, um muito obrigado. Eu ainda sinto a obrigação de estar lá com eles, contando as histórias de Jornada e fazê-los atualizados sobre o que estou fazendo. Ainda há muito interesse. Eu não sei quando eu vou parar de fazer isso. Acho que há um fim à vista. Eu não vou passar a fazê-lo indefinidamente, mas estou programado três ou quatro eventos para este ano.”

Você passou anos tirando fotos, publicou diversos livros e teve seu trabalho exposto em museus. O que você consegue na criação, na organização e preparação de uma fotografia que você não consegue em qualquer outra forma de arte?

“A fotografia é um elemento útil para mim, para idéias criativas. Eu posso ter uma idéia e executá-la sozinho. Eu não tenho que lidar com o orçamento de grandes produções e dezenas de pessoas. Eu não preciso reunir escritores e designers e artistas. Eu não preciso estar longe de casa durante semanas e meses. É uma maneira confortável para mim de expressar idéias e manter-me criativo, sem que tome conta da minha vida totalmente. Minha vida pessoal é muito valiosa. Eu gosto muito da minha família. Gosto do meu tempo pessoal com a minha esposa. Eu não quero estar longe. Eu não preciso ou quero fazer isso.”

Algum outro livro no caminho?

“Não, agora não. O mais recente foi um catálogo do projeto “Secret Selves”, que ainda é muito atual. Esse show vai estar se movendo em torno de vários locais. Foi até no Mass MoCA por seis meses e vai estar em outros lugares no futuro. Agora, eu diria que as idéias se encontram na fase de desenvolvimento, mas eu não tenho nada pronto ainda.”

Deixando Jornada de lado, que outros papéis, performances, projetos em sua carreira você ficou particularmente orgulhoso e ou gostou? Sugerimos as obras Alien Voices, A Woman Called Golda, Três Solteirões e um Bebê, e sua canção Ballad of Bilbo Baggins

“(Risos). Aparentemente, o mais conhecido de todos esses é a gravação de Bilbo Baggins. Eu gostei de fazer isso. Foi muito divertido. É uma canção dirigida às crianças. Foi cerca de 30 anos antes de seu tempo. Nós estávamos muito à frente do ciclo de histórias sobre o Hobbit. Foi muito, muito mais tarde que a trilogia dos anéis fosse produzida como filmes. Eu sei que “The Ballad of Bilbo Baggins” teve uma vida muito ativa na internet. Acho que foi maravilhoso. Você está certo. Eu diria que A Woman Called Golda é algo que me deixou extremamente orgulhoso. Eu diria que nunca esqueci, que foi um filme para televisão que produziu e estreou na TNT. Foi uma história verdadeira sobre um sobrevivente do Holocausto que lutou numa organização que tinha a intenção de negar o Holocausto. Eu achei que foi um projeto muito importante e nós conseguimos uma indicação ao Cable Ace por isso. Tenho algumas experiências maravilhosas ao longo do caminho. Eu estive na Broadway, durante 16 semanas em “Equus”. Esse teve um prêmio Pulitzer e um Tony Award. Eu excursionei pelos Estados Unidos no meu show de um ator chamado Vincent, que foi sobre Vincent Van Gogh, e eu creio que foi uma valiosa peça de trabalho. Então, eu tive oportunidades de fazer alguns projetos muito interessantes e estou muito feliz com isso.”

OK, vamos falar de Jornada. Quando os vimos em sua camiseta LLAP (Vida Longa e Prosperidade) na convenção em Las Vegas em agosto passado, demos muitas risadas. Você está realmente, verdadeiramente, profundamente em paz com o lugar de Spock em sua vida, não é?

“Oh sim, estou muito confortável com isso, com certeza.”

Tomemos alguns de nossos fãs da década de 60. Qual foi a reação para Spock no momento da estréia da série? As pessoas assimilaram o personagem ou foi uma total anomalia para o público a visualização naquele momento?

“Bem, eu acho que pegou muita gente de surpresa. Devo dizer que fiquei surpreendido com a resposta, mas eu entendi. Eu entendi que era sobre o personagem que as pessoas estavam respondendo. As cartas me falaram muito sobre o que as pessoas estavam achando. Certamente, a emissora foi totalmente pega de surpresa. As pessoas na NBC, a emissora que estava comandando a série, tinham realmente pedido a Gene Roddenberry para eliminar o personagem ou mantê-lo em segundo plano, porque eles estavam preocupados que o personagem não fosse um personagem positivo. De fato, em alguns dos primeiros materiais promocionais que eles colocaram para potenciais anunciantes, tinham as fotos retocadas de mim como Spock tirando as pontas das orelhas. Eles realmente tiraram as orelhas pontudas nas fotos. E foi-me explicado que eles estavam preocupados que o personagem parecesse diabólico e que um personagem “diabólico” poderia ter uma conotação negativa, especialmente nos estados do sul, onde as pessoas podem sentir-se desconfortáveis ​​com um diabólico no seu televisor.”

“O que aconteceu foi exatamente o oposto do esperado pela emissora. O personagem Spock tornou-se o personagem de fuga na série e as cartas para o personagem Spock e para mim foram muitas. A emissra, em seguida, pediu mais um lote de Spock, e não menos de Spock, e tivemos que passar por um grande ajuste na produção para obter o personagem Spock construído até o nível da demanda (de audiência).”

Há nos primeiros episódios, onde vemos que você demonstra emoção, ou mesmo sorriso. Quanto tempo você demorou para “encontrar” o personagem?

“Bem, havia um sorriso no primeiro piloto. Eu estava direcionado para sorrir. Ser o mocinho que eu era, eu fiz o que o diretor me disse para fazer. Estava trabalhando com Jeffrey Hunter, que era o capitão da Enterprise, no momento, no primeiro piloto, nós estávamos neste planeta estranho, onde um determinado tipo de planta estranha estava crescendo. Eu estava chegando e tocando uma das folhas dessa planta, que exalava um certo tipo de som assustador. O diretor disse: “Por que você não sorri quando você ouve aquele som, como se fosse um som agradável”. Pensei: “Ok, vou fazer isso”. Passou um longo tempo depois que eu nunca mais sorri novamente em Jornada (risos). Foi o que aconteceu apenas em circunstâncias muito especiais. Mas demorou um pouco para encontrar o personagem. Foi só no segundo piloto, realmente, que eu tive uma compreensão total e fui capaz de tomar minhas próprias decisões, sobre como o personagem deveria funcionar em determinadas circunstâncias. Eu fiz o que me pediram para fazer nesse primeiro piloto e é por isso que você viu um sorriso.”

Em breve a segunda parte dessa entrevista.

Fonte: TrekBrasilis

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s