Carta ao Capitão Kirk

Shatner envia carta ao capitão Kirk

 .

shatner cartaO USS Zumwalt é um dos navios mais futuristas da Marinha americana e foi batizado no sábado passado. O seu capitão tem o nome bastante apropriado, James Kirk. Aparentemente, a tripulação convidou William Shatner para o batismo do navio, mas ele não foi capaz de participar do evento, e enviou uma carta com pedido de desculpas, como relata o site Business Insider. Barbara Zumwalt, a esposa do almirante Zumwalt onde o navio recebe o seu nome, twittou a foto da carta enviada por Shatter. A carta diz: “Infelizmente eu não posso estar com vocês quando seu navio for lançado ao mar e, obviamente, seu capitão, o capitão Kirk, é querido ao meu coração”, escreveu Shatner. ”Então me perdoem por não comparecer, a minha agenda não permite, mas sei que vocês estarão em nossos pensamentos – Sr. & Sra. Shatner – nós abençoamos vocês e espero que tenham uma viagem segura onde quer que seu navio os leve”. A carta que ele enviou para os marinheiros em breve estará a bordo, atualmente está em exposição no Bath Iron Works em Maine.

Fonte: TB

Vem aí Star Trek: Horizon

Novo fanfilm em produção, Star Trek: Horizon

 .

star trek horizonA terceira sequência de Star Trek ainda não tem previsão de lançamento, mas 2014 continua a ser um ano das produções independentes baseadas no universo criado por Gene Roddenberry. Entre os vários projetos em curso “Star Trek: Horizon” é um longa-metragem definido após o último episódio da série Enterprise. O fanfilm encontra-se em produção e já tem o seu primeiro trailer. Veja mais detalhes.

Eu tenho um caso de amor com a quinta série (Enterprise), ela literalmente ajudou a mudar minha vida. Este amor pela série ajudou a dar a paixão que eu precisava para quase toda essa produção, que ainda está em curso”, disse seu produtor Tommy Kraft.

O jovem cineasta já colocou muitas de suas horas livres para este projeto. No momento, ele é o diretor, escritor, cinegrafista e lida com o CGI, e ainda conta com voluntários e atores não-pagos, alguns dos quais têm aspirações profissionais, para fazer o filme acontecer.

Kraft faz trabalhos de filmagem em eventos para ajudar a financiar o filme. No entanto, ele já começou uma campanha no kickstarter.com, e espera levantar pelo menos 10.000 dólares para terminar o projeto.

discovery“Não há muitos gastos, mas ainda assim há despesas”, disse ele. ”Por exemplo, um monte de atores estão vindo de Detroit ou de algum lugar a duas horas de distância. Eu gostaria de, pelo menos, ser capaz de dar-lhes o dinheiro da gasolina”.

No site do fanfilm tem um teaser trailer já disponível, inclusive no You Tube. Kraft  admite que fazer um filme desse tipo é um desafio para uma operação de baixo orçamento, pois é preciso ter um mínimo de qualidade para que seja bem recebido. No entanto, ele acredita que pode enfrentar esse desafio e mostra isso em 06 videos de produção, com cenários sendo construídos, maquetes e tela verde.

A ideia de Tommy Kraft para a história gira em torno de uma continuação da série Enterprise, a Terra está tentando estabelecer-se como uma peça importante na política galáctica, lutando para vencer a Guerra Romulana e garantir a sobrevivência da Coalizão Unida de Planetas, recém criada.

Do que foi mostrado até aqui, o filme se passa na nave NX-04 Discovery, uma nave semelhante a NX-01 Enterprise, “Em vez de ter diferentes atores que tentam interpretar os mesmos personagens, eu pensei que seria melhor criar outros novos”, disse Kraft.

O ano é 2160, a guerra com o Império Romulano já se arrasta por dois anos. Desesperada por uma chance de por fim a essa guerra, a Coalizão faz uma aliança com T’mar, uma desertora romulana, na esperança de que ela forneça informações valiosas sobre seus antigos superiores. T’mar está a bordo da Discovery e sua aparência humana se deve a sua missão pelo Império antes de desertar: receber alterações genéticas para ter a forma humana e se infiltrar na Frota Estelar. Teria mudado de lado realmente?

T’mar é interpretada por Callie Bussell. Também estão no elenco Paul Lang como o capitão Harrison Hawke, um veterano guerreiro que possui um forte conhecimento de táticas de batalha através de muitos encontros com romulanos e outras espécies. Marc Bowers faz o primeiro oficial Jackson Gates,  lógico e profundamente devotado ao dever. Ryan Webber como o Engenheiro Chefe Francis Brookes, reservado, terá uma difícil convivência com T’mar, onde vê como seu maior inimigo. Outros ainda serão relacionados para o elenco em formação.

tmar

capitain

first officer

tiro

Por enquanto algumas filmagens estão sendo feitas num só local, os atores passam a maior parte do tempo na frente de uma tela verde no porão de um depósito. Kraft leva as imagens e adiciona fundo usando imagens geradas por computador. ”A própria nave, comecei em fevereiro passado e acabei cerca de um mês atrás, por isso demorou cerca de um ano”, disse o produtor. ”É muito detalhado. Eu mesmo meticulosamente pinto cada uma das paredes do casco para que possam corresponder a nave da série”.

“Com o que ele pode fazer com gráficos, está em um nível de profissionais que já vi com 10 anos de experiência”, disse o ator Todd Lutz, que tem um papel em Horizon. “Ele é extremamente talentoso”.

Acompanhe as atualizações na página do Facebook e no site oficial.

Fonte: Examiner.com - TB

Documentário The Principle

Mulgrew no polêmico documentário The Principle

 .

mulgrew the principleA atriz Kate Mulgrew (capitã Janeway) será a narradora de “The Principle”, um documentário alegando que o Sol gira em torno da Terra. O programa é dirigido por Katheryne Thomas e produzido por Robert Sungenis.

“The Principle” será lançado ainda este ano e foi produzido por Robert Sungenis, o mesmo que diz que o Holocausto nunca aconteceu, e que os judeus conspiram com Satanás para mandarem no mundo. Sungenis é uma pessoa com visões religiosas extremas. Ele tem um Ph.D de uma instituição localizada em Vanuatu, e é um defensor da idéia de “geocentrismo”.

O documentário terá 90 minutos e tem a apresentação de Kate Mulgrew onde começa com a frase: “Tudo o que nós pensamos que sabemos sobre o nosso universo é errado”. O objetivo do programa é tentar provar que a antiga teoria de que a Terra é o centro do Universo é correta.

mulgrew arrependidaUm trailer foi apresentado no início do ano nos EUA e causou grande manifestação do público e principalmente dos fãs da atriz, que foi obrigada a divulgar um comunicado em sua página no Facebook pedindo desculpas e esclarecendo que ela não sustenta as crenças do filme.

“Eu entendo, tem havido alguma controvérsia sobre a minha participação em um documentário chamado The Principle”, disse Mulgrew, “Deixe-me assegurar a todos que estou plenamente de acordo com o eminente físico Lawrence Krauss , que ele próprio foi mal representado no filme, e que escreveu uma refutação sucinta sobre isso. Eu não sou uma geocentrista, nem sou de forma alguma uma defensora do geocentrismo. Mais importante, eu não concordo com nada que Robert Sungenis escreveu sobre ciência e história e, se eu soubesse de seu envolvimento, certamente teria evitado este documentário. Eu era uma voz de aluguel, e fui mal informada sobre a produção. Peço desculpas por qualquer confusão que minha voz neste trailer possa ter causado.”

Não só Mulgrew mas alguns cientistas aparecem no documentário, como Michio Kaku, Lawrence Krauss e Max Tegmart.

Logo após o trailer ser lançado, o físico Lawrence Krauss, um trekker de carteirinha, protestou em um artigo no site Slate. Mas ao contrário de Mulgrew, ele nem sequer participou conscientemente no documentário. “Não me lembro de ser entrevistado para um filme como este e, claro, se eu soubesse de sua premissa que eu teria recusado”, disse ele. Krauss acredita que usaram alguns trechos de outras entrevistas suas que foram deturpadas para interesse do documentário.

Mas o físico não pretende processar os produtores do documentário porque “seria elevar o perfil de algo que não deve nem mesmo subir para o nível de discussão popular”.

Fonte: TrekToday – TB

Outros sóis

O Brilho de outros sóis

POR RLOPES |  07/01/14

.

Peço licença para adentrar um pouco (na verdade, um muito) a seara do blog do colega e grande amigo Salvador Nogueira (se você ainda não conhece o seu Mensageiro Sideral, sugiro que clique aqui neste instante). É que, como sou um sujeito lerdo, só atinei agora para um fato óbvio: nos últimos 15 anos (mais ou menos o meu tempo de vida profissional como jornalista de ciência), uma revolução científica aconteceu, e das grandes, e eu ainda não tinha me dado conta plena do conjunto da obra.

Estou falando da descoberta de planetas fora do Sistema Solar, coisa que durante muito tempo foi simples especulação de ficção científica. Foi só em 1995 que o primeiro exoplaneta (como esse tipo de astro é conhecido) teve sua existência confirmada. Eu me lembro do tempo em que praticamente qualquer descoberta de exoplaneta era notícia. Hoje, esse número chega a 1.055 — e um único telescópio espacial, o Kepler, da Nasa, já achou mais de 3.500 outros “planetas candidatos”, cuja existência precisa ser confirmada com mais observações. Como brinca a colega e amiga Giuliana Miranda, descoberta de exoplaneta agora só é notícia se acharem 200 de uma vez. Se as estimativas atuais estiverem corretas, existem 100 bilhões de planetas só na nossa galáxia, dos quais mais de 10 bilhões devem ser do tamanho da Terra, orbitando a zona habitável (a faixa onde a água é líquida, e a vida, possível) de sóis parecidos com o nosso.

Concepção artística da nossa galáxia repleta de sistemas estelares. (Crédito: ESO)

Permita-me ser repetitivo, porque é importante: se esse novo conhecimento não é uma revolução científica, então, bicho, eu realmente não sei o que seria.

Sim, esses planetas ainda estão absurdamente distantes de nós, mesmo se quiséssemos enviar apenas sondas robóticas até eles. Mas, mesmo usando apenas telescópios baseados na nossa órbita, muito provavelmente a próxima década verá um acúmulo cada vez maior de informações sobre esses astros ainda tão misteriosos, inclusive sobre a composição de suas atmosferas e sobre a possibilidade de esses corpos celestes (é, expressão meio com cheiro de naftalina, eu sei) abrigarem vida.

E é claro que isso terá um impacto monstruoso sobre como pensamos a origem da própria vida na Terra. Até hoje, só dispomos de um único “filme da evolução”. Só sabemos (por enquanto, em linhas muito gerais) em que condições a vida surgiu num único planetinha. Qualquer cientista será capaz de te dizer que uma amostragem com um único exemplar (n = 1, como escrevem nos papers, ou artigos científicos) não é a coisa mais confiável do mundo.

Mas, com milhares de exoplanetas para estudar, dá para tentar responder de forma mais embasada todo tipo de pergunta. Uma lua grande como a nossa é importante por estabilizar a órbita ou pode ser dispensada? Há uma força gravitacional ótima? Qual a melhor densidade atmosférica? E a atividade vulcânica/tectônica? Enfim, finalmente estamos escapando da maldição do n = 1, mesmo que demoremos para achar evidências definitivas de vida “lá fora”.

Por tudo isso, um brinde à revolução que já aconteceu — e outro, de copo ainda mais transbordante, à revolução que virá.

Fonte: Blog da Folha

Star Trek: Renegades – Produtores buscam apoio para finalização

Star Trek: Renegades | Fan film tem ambição de se tornar oficial

Produtores buscam apoio para finalização

Por Érico Borgo | Dezembro 30 de 2013
.

Fan film de Star Trek  com ambições de tornar-se um produto oficial, online, Star Trek: Renegades  conseguiu reunir um elenco com alguns rostos conhecidos da franquia, incluindo Walter Koenig de volta ao papel de Chekov.

Um episódio-piloto está sendo produzido de maneira independente divulgou um novo trailer, buscando apoio dos fãs.

Assista ao vídeo:

.

Fonte: Omelete

Entrevista com Susan Gibney

Entrevista com Susan Gibney, a Dra. Leah Brahms

 .

Leah BrahmsSusan Gibney apareceu em quatro episódios de Jornada, “Booby Trap” e “Galaxy’s Child” em A Nova Geração e “Homefront” e “Paradise Lost”, na série Deep Space Nine. A atriz chegou a fazer testes para outros personagens como Deanna Troi, Tasha Yar, Sete de Nove e até mesmo para a Rainha Borg, mas o papel principal seria a da capitã Janeway. Infelizmente não deu,  mas Susan recorda ao site Star Trek.com seu trabalho nas duas séries e a experiência de estar na franquia.

 

Além de sua participação em Jornada, ela tem créditos em vários seriados como Happy Family, Crossing Jordan, Criminal Minds, 24 Horas, JAG – Ases Invencíveis, CSI: Investigação Criminal, como atriz convidada em Lost e The Mentalist. Hoje em dia, Susan trabalha na Companhia Rogue Actor Training, em Nova York, onde vive com sua família. Ela também terminou o trabalho em um filme de terror, We Are Still Here, que encontra-se em pós-produção.

Como você começou a ganhar o seu papel como Dra. Brahms?

Gibney: Eu morava em Nova York e fiz o teste para o piloto de A Nova Geração. Trouxeram-me várias vezes para os papéis que Marina Sirtis e Denise Crosby. Eu não cheguei às finais. Era esta pequena atriz apenas saída de Yale e fazendo televisão e algum teatro em Nova York, mas eu pensei: “Agora, que estão olhando para mim, eu acho que é hora eu ir para LA”. Então eu me mudei para Los Angeles e queira que as pessoas soubessem que eu estava lá. Comecei a sair para os papéis. E parecia que a cada semana as pessoas de Jornada me traziam para um teste para algum papel que estava sendo lançado. Eu aceitei fazer todos, e iria fazê-los novamente. Eles me trouxeram pelo menos nove vezes para várias funções, até que eu fiz Leah Brahms.

Disseram-lhe, naquele momento, que a Dra. Brahms estaria mais de uma vez?

Gibney: Na verdade, era para estar três vezes, mas eu engravidei. Eles tinham um terceiro episódio planejado, mas eu estava grávida na época, de modo que não funcionou. Mas o que me disseram quando cheguei pela primeira vez para o papel é o que sempre dizem em qualquer série, que é: “Existe a possibilidade de reaparecer”. Eles não se comprometeram, com isso.

Brahms-GeordiA Dra. Brahms era um grande personagem. O que você aprecia mais sobre ela?

Gibney: Oh meu Deus, eu tive que fazer tudo. Primeiro, seria o interesse amoroso de Geordi. Eu pensei: “Isso é fantástico”. Eu não sei se Geordi e Leah fizeram o primeiro relacionamento interracial desde Uhura e Kirk, mas foi emocionante para mim. Por isso, foi um papel médico e um papel romântico, que deu um monte de diferentes arcos. Há a parte de ser uma profissional, da ética do trabalho, da força e ser imune as coisas emocionais, e depois ter o oposto acontecendo, também. Ela tem esse relacionamento romântico, amoroso … bem, isso foi derrubado um pouco, mas não havia muito a fazer como atriz. E, vamos enfrentá-lo, eu tive que ser teletransportada. Tive que projetar um motor. Eu tive que reestruturar a câmara cristal dilitium. A única coisa que eu não conseguia fazer era atirar com um phaser. Eu tive que fazer muitas coisas clássicas de Jornada.

O que você lembra de realmente filmar os episódios, de estar no set?

Gibney: Tudo. Eu conhecia algumas das pessoas na equipe de design. Eu me mostraram todas as outras coisas que estavam trabalhando, os modelos e outras coisas. Eu amei isso. Lembro-me de LeVar Burton ser super-agradável. Ele tinha que usar aquela viseira e me disse: “Eu nunca tiro essa viseira no set quando estou fazendo alguma coisa, mas eu vou fazer isso por você, para que possamos olhar um para o outro e realmente ter uma cena acontecendo”. Eu agradeci, porque eu não tinha que olhar para o metal. Poderia olhar para ele, ensaiar a cena e estabelecê-la como dois atores. Ele era muito bom e eu me senti muito honrada por ele ter feito isso por mim.

Paradise LostVocê fez seus episódios de Deep Space Nine em 1996, depois que acabou não conseguindo o papel de Janeway em Voyager. Aqueles episódios foram algo como um prêmio de consolação?

Gibney: Sim, eles foram. E foi adorável que eles tenham feito isso. Rick Berman foi incrível. Eu acho que foi um processo muito grande, fazer testes para a capitão Janeway. Foi doloroso.

Ok. Você tentou o papel de Janeway. Você tinha penteados diferentes da Janeway. Você gravou cenas de testes com atores que já estavam no elenco …

Gibney: Eles filmaram, sim. Fizeram um teste de tela inteira e trouxeram outros atores e uma tripulação. Nós fizemos vários testes de cabelo e vários testes de roupa, e, em seguida, eles trouxeram toda a gente que estava no elenco e toda a tripulação. Filmaram a maior parte das cenas do piloto naquele dia. Eu fiz três testes para eles. Toda vez eu pensava que tinha acabado … Eu acho que estava competindo Genevieve (Bujold). Ela conseguiu. Eu estava em Nova York na época (quando Bujold saiu) e me disseram: “Susan, você tem que voar de volta para LA”. Depois houve outro teste. Em seguida, foi-me dito que estavam pensando em usar um homem. Então eu tive um teste com outra mulher, mas, evidentemente, a outra mulher não se saiu tão bem naquele dia, pois teriam gostado dela, então eles pensaram que Rick estava tentando me colocar na série por não ter boas pessoas o suficiente à minha frente.

Em seguida, fui até a última rodada e, de qualquer forma, sabemos os resultados. Isso durou semanas e semanas. Eu estava lá, eu estava dentro e fora. Foi um processo longo. Então Deep Space Nine pode ter sido um prêmio de consolação ou eles apenas gostavam de me ter por perto. Eu acho que eles apenas gostavam de me ter por perto. Eu era divertida no set.

Fonte: StarTrek.com - TB

Portal dimensional?

Misteriosa matéria escura cerca o nosso planeta “Seria um portal dimensional?”

Por BlogOlho Solitário

.

Astrofísica da Universidade do Texas hipótese que envolve a Terra ao longo do equador zona de matéria escura, relata Discovery News.

Pesquisador Ben Harris sugeriu que os misteriosos substância cinto 70 km de comprimento e 190 – de espessura. Em seus cálculos, ele tomou em conta os efeitos gravitacionais dos corpos celestes, como o sol e a lua.

A hipótese de que o nosso planeta envolto matéria escura, nasceu de diferenças no cálculo da massa da Terra. Assim, os dados anteriores obtidos pela União Internacional Astronomical, não coincidem com os resultados dos novos cálculos. E ainda que a diferença foi de apenas um milésimo de um porcento, os pesquisadores tentaram encontrar esta justificação científica. Astrofísicos Texas acreditam que a matéria escura de alguma forma afeta o campo gravitacional do planeta, e por que “salta” a sua massa. No entanto, para provar sua hipótese, eles não podiam, assim como difícil dizer se essa substância é uma ameaça para os terráqueos.

Mais Física 2009 notou que lançou a partir de satélites da Terra pequenas alterações repetitivas ocorrer na velocidade que não pode ser cobrado a qualquer um dos fenômenos conhecidos. Foi então que a idéia para explicar a discrepância efeito gravitacional da matéria escura existente.

Fonte: olhosolitario.blogspot.com.br

Pulsar hiper-denso contradiz teoria de Einstein

Nova descoberta sobre a Teoria da gravidade super densa de Albert Einstein

Por BlogOlho Solitário

.

Um sistema recém-descoberto de duas estrelas anãs brancas e um pulsar, tudo embalado dentro de um espaço menor do que a órbita da Terra em torno dos astrônomos pelo sol está permitindo a sondar uma série de mistérios cósmicos, incluindo a própria natureza da gravidade superdensa.

Originalmente descoberto por um estudante americano usando o Telescópio da Fundação Nacional de Ciência Green Bank, o pulsar – 4.200 anos-luz da Terra, girando cerca de 366 vezes por segundo – foi encontrado para ser em estreita órbita com uma estrela anã branca e os dois está na órbita com outro, anã branca mais distante.
O sistema de três corpos é ‘melhor oportunidade ainda de descobrir a violação de um conceito-chave na cientistas Albert Einstein ‘s teoria da Relatividade Geral: o princípio de equivalência forte , que afirma que o efeito da gravidade sobre um corpo não depende da natureza ou a estrutura interna desse corpo.

“Ao fazer muito de alta precisão tempo dos pulsos provenientes do pulsar, podemos testar para tal desvio do princípio de equivalência forte com uma sensibilidade várias ordens de magnitude maior do que nunca antes disponíveis”, diz Escadas, com o Departamento de Física da UBC e Astronomia. “Encontrar um desvio do princípio de equivalência forte indicariam um colapso da Relatividade Geral e que nos apontam na direção de uma nova teoria, revista de gravidade.”

“Este é o primeiro pulsar de milissegundo encontrado em um sistema desse tipo, e nós reconhecemos imediatamente que ela nos oferece uma tremenda oportunidade para estudar os efeitos e natureza da gravidade”, diz Scott Ransom do National Radio Astronomy Observatory (NRAO), que liderou a estudo. “Este sistema triplo nos dá um laboratório natural cósmica muito melhor do que qualquer coisa encontrada antes para aprender exatamente como esses sistemas de três corpos trabalhar e, potencialmente, para a detecção de problemas com a Relatividade Geral que os físicos esperam ver em condições extremas.”

Quando uma enorme estrela explode como uma supernova e seus restos colapso em uma estrela de nêutrons superdensa, um pouco de sua massa é convertida em energia de ligação gravitacional que mantém a estrela densa juntos. O princípio da equivalência forte diz que esta energia de ligação ainda vai reagir gravitacionalmente, como se fosse massa. Praticamente todas as alternativas à Relatividade Geral sustentam que ele não vai.

Sob o princípio de equivalência forte, o efeito gravitacional da anã branca exterior seria idêntico tanto para a anã branca interior e da estrela de nêutrons. Se o princípio de equivalência forte é inválido de acordo com as condições deste sistema, o efeito gravitacional da estrela exterior sobre a anã branca interior e da estrela de nêutrons seria um pouco diferente eo pulsar de alta precisão cronometrando observações poderia facilmente mostrar isso.

“Fizemos algumas das medições mais precisas de massas em astrofísica”, diz Anne Archibald, do Instituto Holandês para a Rádio Astronomia e um dos autores do estudo. “Algumas de nossas medições das posições relativas das estrelas no sistema são precisos a centenas de metros.” Archibald liderou o esforço para usar as medidas para construir uma simulação de computador do sistema que pode prever seus movimentos.

O NRAO Scott Ransom acrescenta: “Este é um sistema fascinante, em muitos aspectos, incluindo o que deve ter sido uma história de formação completamente louco, e temos muito trabalho a fazer para entendê-lo completamente.”

A equipe internacional, que inclui UBC astrônomo Ingrid Stairs, relata suas descobertas na revista Nature em 5 de janeiro.

Programa de observação dos cientistas usaram o telescópio da Fundação Nacional de Ciência Green Bank, o radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, eo telescópio Rádio Síntese Westerbork, na Holanda. Eles também estudaram o sistema usando os dados do Sloan Digital Sky Survey , o satélite GALEX, o telescópio WIYN em Kitt Peak, Arizona, e do telescópio espacial Spitzer .

A imagem no topo da página é a impressão de um artista de estrela de nêutrons no centro da supernova 1986J.

The Daily Galaxy via University of British Columbia

Crédito da imagem: Norbert Bartel e Michael F. Bietenholz,
Universidade de York; Artista: G. Arguner

Fonte: dailygalaxy.com - olhosolitario.blogspot.com.br

Payne e o dilema moral em Star Trek 3

Payne fala sobre dilema moral em Star Trek 3

por Ralph Pinheiro | março 20, 2014
 .

JD payneUm video de 90 minutos com o escritor JD Payne, durante o LDS Film Festival, apresenta alguns comentários do escritor sobre o próximo filme de Jornada. Uma parte foi publicada pelo site TrekCore e mostrada aqui no TB. O vídeo chegou a ser publicado na internet, mas, de forma inexplicável, parte dele ficou indisponível. Agora, o TrekCore conseguiu outro seguimento da entrevista, onde ele dá mais alguns indícios no sentido do enredo.

De acordo com o site, o video mostra Payne comentando, nos primeiros 11 minutos, a respeito da terceira sequência de Star Trek e revela, entre outras coisas, que a primeira reunião, entre eles, sobre o longa foi realizada em abril de 2013.

Neste novo trecho conseguido pelo TrekCore, Payne continua falando a respeito do seu desejo de introduzir algo mais sobre o dilema moral e a humanidade para a próxima história.

“Nós estamos tentando criar um tipo de situação onde você realmente poderia – e não apenas dizer ‘não, tudo é relativo’, um tipo de relativismo moral – mas você poderia ser uma boa pessoa de qualquer crença ou fundo filosófico e que se veja dividido em como deveria responder a esta oportunidade que a tripulação tem …. que também teria algumas armadilhas nisso. Onde você poderia argumentar muito, muito convincentemente de que “isto” é o que deveria fazer, e se está defendendo “isto”, então é realmente ruim.

É mais ou menos a coisa de Adão e Eva, onde devemos comer ou não o fruto? Bem, existem algumas razões muito convincentes pelas quais eles deveriam fazer ou não fazer. Assim, são os mesmos tipos de coisas aqui que realmente oferece o filme e a oportunidade de brincar com isso, e as pessoas tendo que decidir por um lado diferente e tendo que lidar com isso, em seguida, chegar a um final onde você pode sair e dizer: ‘Sabe, eu não sei o que faria’. Este é o tipo de situação que estamos tentando definir “.

Fonte: TB

JD Payne e Star Trek 3

JD Payne e as primeiras dicas sobre Star Trek 3

por Ralph Pinheiro | março 18, 2014
 .

PayneST3Em dezembro passado, foi anunciado pela Paramount que os roteiristas JD Payne e Patrick McKay seriam os novos parceiros de Roberto Orci para a produção do roteiro da terceira sequência de Star Trek. De lá para cá não houve praticamente nenhuma informação sobre o novo filme, tanto de Orci quanto dos recém-contratados. Em entrevistas recentes, um deles, JD Payne, falou pela primeira vez de sua entrada no mundo de Jornada.

 

Os sites Mormon Artist e LDS Living conversaram com Payne que comentou a respeito de seu trabalho como escritor e deu suas primeiras impressões sobre o próximo filme da franquia.

JD Payne e seu parceiro de escrita, Patrick McKay, vêm trabalhando juntos há mais de quinze anos. Alguns dos seus scripts ajudaram a abrir portas em Hollywood. Atualmente, eles tem projetos para a Paramount, inclusive com J. J. Abrams (Micronauts), um pela Warner Bros (Law Zero) e até um um reboot de Flash Gordon.

Payne, que é mórmon, formou-se pela Universidade de Yale em Física Aplicada, mas acabou seguindo o caminho de roteirista, “De muitas maneiras, o meu amor pelas ciências teve suas raízes na ficção científica. Eu cresci assistindo De Volta para o Futuro e Jornada, e minha mente sempre contemplava as possibilidades onde a descoberta científica pudesse um dia levar a humanidade. Na escola, eu gostava do desafio de um problema difícil através do cálculo e equações químicas. Por outro lado, eu também adorava escrever, quando terminei o ensino médio, eu escrevi um romance, diversas peças de teatro, um grupo de poesia e contos. Escrever era algo que eu não podia deixar de fazer, quase como respirar”, disse Payne.

Você tem uma cena favorita de um filme? Uma frase favorita? “A cena do relógio da torre em De Volta Para o Futuro é um dos mais fantásticos clímax visuais já construídos. Eu fico roendo minhas unhas o tempo todo. A linha “Buona sera” de Noites de Cabíria de Fellini, e a cena referente, estão entre as mais comoventes e cheias de esperança que eu já vi”.

O trabalho de Payne com J.J. Abrams, na Bad Robot, levou a um convite para ajudar a escrever o novo filme de Jornada. “Já fiz alguns projetos com a empresa de J.J. Abrams”, explica. “Nós desenvolvemos uma relação de trabalho muito sólida. Então, um amigo de lá veio até nós e disse: Nós temos um novo projeto para discutir com vocês. É muito preliminar, mas. . . E a gente estava meio que esperando por isso, e então eles disseram: ‘É Star Trek 3.”

Sobre seu colega Patrick McKay, “Patrick e eu nos conhecemos no colégio, começamos a colaborar criativamente quando dirigimos uma peça curta juntos para um festival na escola. Logo percebemos que foi maravilhoso. Patrick foi muito bem. Nós continuamos a trabalhar juntos na escola e na faculdade. Desde então, Patrick e eu temos escrito algo como dezessete roteiros juntos. Cada um é uma jornada, e não há ninguém no mundo que eu preferiria ter ao meu lado, se não Patrick. O trabalho em si é uma alegria, mas no dia-a-dia de trabalho com um parceiro, que também é meu melhor amigo, temos essa alegria a um nível totalmente diferente”.

“Star Trek será o 17º roteiro que escrevemos desde quando estávamos na faculdade, o nosso décimo foi a partir do momento em que chegamos na agência (embora sete deles estavam oficialmente em desenvolvimento em uma empresa de produção e estúdio). Eu li que a média do setor é de treze scripts em desenvolvimento para cada um que acaba sendo produzido. Estou definitivamente ainda eufórico que vários de nossos outros projetos irão para a telona, por isso vamos ver como essa relação acaba funcionando com nosso cronograma.”

Quando perguntado sobre o próximo filme e que os fãs podem esperar, Payne disse: “Eu realmente não posso falar muito sobre o que será. Na sua essência, Jornada sempre foi sobre aventura, exploração e encanto, com um sentido otimista do futuro, e todas as suas possibilidades. É um enorme parque, estamos muito animados para fazer um mergulho nele.”

“Jornada é a única que frequentemente lida com dilemas éticos e morais complexos – nós adoraríamos criar uma situação como essa, onde você realmente poderia ser uma pessoa de qualquer tipo, e decidir de que forma deveria responder. Onde você pode chegar e dizer: – Sabe, eu realmente não sei o que faria. O que você faria? O que é certo fazer? – E levar o público a realmente se envolver.”

Fonte: TrekToday – TB

Bruce Greenwood (Capitão Pike) nas Convenções

Greenwood vai estrear em convenções de Jornada

por Ralph Pinheiro | março 10, 2014
 .

Bruce GreenwoodA Creation Entertainment assinou um contrato com Bruce Greenwood, o Capitão Christopher Pike, em Star Trek e Além da Escuridão, para aparecer em várias convenções de Jornada. ”Um dos objetivos da Oficial Star Trek Convention Tour é trazer mais celebridades quanto possíveis para cada convenção”, disse o responsável pelo evento, Gary Berman . “É realmente um tratamento especial quando podemos apresentar alguém que é novo para convenções e eventos dos fãs em geral. Bruce é comemorado por uma carreira de quase 40 anos, por isso, juntamente com Jornada temos certeza de que os participantes irão desfrutar ao conversarem com ele sobre o seu trabalho em filmes e programas de TV”. Greenwood falará no palco e estará disponível para tirar fotos. Além disso, em todas as convenções, Greenwood vai passar um tempo em uma cabine na sala dos fornecedores para conhecer e conversar com seus fãs e oferecer um autógrafo por uma taxa nominal. Mais detalhes no site creationent.

Fonte: Star Trek.com – TB

MTV Movie Awards indica Into Darkness

Além da Escuridão indicado ao MTV Movie Awards

por Ralph Pinheiro | março 7, 2014
 .

mtv movie awards khan vilaoO filme Além da Escuridão – Star Trek tem mais uma indicação por seu desempenho na telona. Dessa vez será para o MTV Movie Awards. A cerimônia de premiação terá lugar no dia 13 de Abril e será apresentada por Conan O’Brien.  O ator Benedict Cumberbatch (Khan) foi indicado para a categoria de Melhor Vilão. Os demais concorrentes são: Barkhad Abdi – Capitão Phillips, Michael Fassbender –12 Anos de Escravidão, Mila Kunis – Oz: Mágico e Poderoso e Donald Sutherland – Jogos Vorazes: Em Chamas.

Fonte: MTV - TrekBrasilis (TB)

Além da Escuridão – Star Trek – Cenas deletadas

Cenas deletadas de Além da Escuridão – Star Trek

por  | março 6, 2014
 .

uss BiddefordNa época do lançamento de Além da Escuridão em home video, a Paramount Home Video e a Bad Robot resolveram pulverizar no mercado as chamadas cenas extras ou bônus. Parte foi lançada no comércio varejista on-line, através do iTunes, Xbox Live, e assim por diante. Desse modo, a maioria das pessoas não conseguiu ver todas as cenas deletadas. O site Trekcore publicou mais cenas inéditas que não apareceram na telona. Detalhes a seguir.

De acordo com o site Trekcore, através de suas fontes, conseguiram uma cópia do conteúdo do Xbox SmartGlass contendo cenas deletadas e não vistas no DVD ou mesmo no Blu-ray.

Estas cenas estavam sendo disponibilizadas no Youtube, mas foram excluídas, provavelmente por causa dos direitos autorais.

Veja abaixo detalhes dos diálogos e comentários destas cenas deletadas.

 

Cena 1 – Diário de Bordo do Capitão.

stid deletada 4

Kirk e Spock completam a missão a Nibiru. Spock foi resgatado pelo transporte. A partir daí temos mais detalhes da missão através do diário de bordo de Kirk e o relatório forjado.

VERSÃO ORIGINAL:

KIRK: “Parabéns, Spock – você acabou de salvar o mundo”.

Dois técnicos de engenharia pulverizam o oficial de ciências com um spray de arrefecimento. A cena corta para a ponte, algum tempo depois, Kirk está de volta com uniforme.

KIRK (na cadeira do capitão): “Diário do Capitão, data estelar 2259.55.”

Uma multidão de Nibirans observa a Enterprise voar através da fumaça do vulcão, seus olhos arregalados de espanto.

KIRK (gravando no diário): “Nós completamos nossa pesquisa do planeta Classe M recém-descoberto designado Nibiru. Vida inteligente foi observada. A espécie é primitiva; indícios de linguagem precoce e até mesmo de religião foram anotados.”

Alguns dos nativos acompanham o olhar na direção da nave.

KIRK: “eu achei ser prudente ficar fora do planeta por completo, para que de alguma forma não interferíssemos com o seu modo de vida.”

A Enterprise aciona os foguetes para se afastar do vulcão.

KIRK: “Se há uma palavra que eu usaria para descrever esta missão, que seria “sem intercorrências”.

Os Nibirianos falar uns com os outros em sua língua nativa. Seu mundo mudou.

KIRK: “Kirk, desliga”.

Seus oficiais – Sulu, Chekov, Uhura, Scotty, e McCoy – olham-no em silêncio, atordoados e incrédulos. Uhura se vira e vai embora, com desaprovação.

KIRK: “Eles nos viram! Grande coisa!”

Cena 2 – No Gabinete de Pike.

STID deletada 3

Nesta versão original temos a cena no gabinete de Pike, onde sofreu várias refilmagens até encontrarem o tom certo e o equilíbrio para o relacionamento de Kirk com  o Almirante.

Na versão final do filme, os sentimentos expressos nesta cena foram divididos em duas cenas: uma no gabinete e outra com Pike fazendo uma aparição em um bar de San Francisco.

VERSÃO ORIGINAL:

Spock é dispensado e Kirk está sozinho com o Almirante.

PIKE: “Você tem alguma idéia de que é um pé no saco?”

KIRK: “Eu acho que sim, senhor.”

PIKE: “Então me diga o que você fez de errado.” Qual é a lição a ser aprendida aqui?”

KIRK: “Nunca confie em um vulcano.”

PIKE: “Veja, você não pode sequer responder à pergunta! Você mentiu em um relatório oficial – você mentiu! Você acha que as regras não se aplicam a você, porque você não concorda com ela!”

KIRK: “Com todo o respeito, senhor, eu pensei que foi por isso que me convenceu a inscrever-se em primeiro lugar. É por isso que você me deu a sua nave.”

PIKE: “E agora é a razão que eu vou tirá-la de volta……… A partir de agora, eu estou me restabelecendo como capitão da Enterprise.”

KIRK: “O que propunha que eu fizesse, deixar Spock morrer?”

PIKE: “Não se trata de Spock.”

KIRK: “Então o que é? Você está me punindo por salvar a vida de alguém, Almirante!”

PIKE: “Não! Eu estou ensinando você, como eu deveria ter feito há muito tempo…. Estou transferindo Spock, você vai ser meu primeiro oficial.”

Kirk fica em silêncio. Lentamente, ele senta-se em uma das cadeiras do gabinete; Pike fica de frente para ele.

PIKE: “Você acha que é infalível. Que não pode cometer erros. Mas o momento vai vir quando irá perceber que estava errado sobre isso … e você vai ter todas as pessoas sob seu comando mortas………. Há grandeza em você, Jim, mas não há um pingo de humildade. Você quer esta cadeira de volta? Você vai ter que me mostrar que você a respeita.”

PIKE: “Dispensado.”

Os editores Maryann Brandon e Mary Jo Markey discutem o trabalho da cena na faixa de comentário iTunes :

Mary Jo Markey: “Havia uma necessidade de restabelecer o pai /filho [relação entre Pike e Kirk], por isso tivemos de criar um diálogo entre eles e uma dinâmica entre eles, onde você sentiu como Pike era severo e ainda seu almirante, mas ele também acredita neste jovem capitão, e está terrivelmente desapontado que Kirk tenha escolhido quebrar a Primeira Diretriz.”

“Pike toma a nave, mas também precisa dar a Kirk esperança de que ele, pessoalmente, vai levá-lo debaixo de sua asa – e ainda acredita nele. Isso não aconteceu até que tivemos uma cena adicional que não ocorreu no gabinete, e que precisava de um respiro. Na cena original, ele tomou a nave de Kirk – mas nós mudamos para a Frota tomar de Kirk e Pike não poder fazer nada”.

Maryann Brandon: “Nós tentamos fazer essa coisa onde Pike toma a nave, e, em seguida, ele tenta ser uma espécie paternal para Kirk. Finalmente, desistimos e percebemos que tinha que ser duas cenas separadas.”

Cena 3 – Kirk vê Pike levar um tiro

stid deletada 6

Na cena final do filme, Spock é a única testemunha da morte de Pike – mas não foi assim com a seqüência original.

Na sala de conferências todo mundo se esconde dos tiros. Kirk está ajudando uma oficial ferida, quando ele vira os olhos e vê Pike do outro lado da sala, o Almirante está rastejando para a segurança.

VERSÃO ORIGINAL:

KIRK: “(gritando) Pike!”

Pike vê-lo por um instante antes de ser atingido. Kirk, em estado de choque, corre entre as explosões para seu lado.

KIRK: “Você vai ficar bem. Vai ficar tudo bem, certo? Nós vamos te ajudar.”

Kirk aplica pressão para uma ferida no peito de Pike. Outros oficiais retomam fogo, e a nave de Harrison recua na noite, com o almirante Marcus dando ordens aos subordinados.

MARCUS: “Tirem essas pessoas daqui!”

SPOCK: “capitão!”

Spock aparece ao lado de Kirk, com a nave de Harrison voando de volta para terminar o trabalho.

Uma voz (off-screen): “Ele está voltando! Ele está voltando!”

KIRK: “Tenho que tirá-lo daqui”.

Spock assume cuidar de Pike quando Kirk corre para pegar o rifle, com a intenção de parar o ataque de Harrison.

Esta cena tem o comentário do editor Maryann Brandon ,  no extra Unlocking the Cut.

Brandon : “No roteiro original, quando Pike morre, Kirk está realmente na sala e o vê morrer. Esta cena não parecia encaixar e ficávamos pensando, Por que não está funcionado? Decidimos refilmá-la para que Kirk realmente saísse da sala e tentasse derrubar a nave inimiga, e então descobre que Pike está morto. Essa foi uma grande solução, você está totalmente com Kirk em sua perda emocional dessa figura paterna”.

Cena 4 – Thomas chama Marcus

STID deletada 1

Na sede da Frota Estelar, o almirante Marcus descobre que Thomas Harewood (pai da menina doente) enviou-lhe uma mensagem a partir dos arquivos da Seção 31, antes que ele detonasse o artefato. Na versão final do filme, vemos apenas Harewood enviar uma transmissão baseada em texto, a cena original inclui uma mensagem em áudio.

VERSÃO ORIGINAL:

Harewood se senta em sua estação, na Biblioteca Kelvin em Londres, e começa a digitar os comandos em seu console.

Dentro do Comando da Frota Estelar vemos pairando acima e a frente da mesa do almirante Marcus uma maquete da nave classe Constitution da série original, a USS Biddeford, junto com sua linha de modelos de naves no fundo da sala. Um sinal sonoro é emitido de um aparelho em sua mesa, sinalizando uma transmissão de entrada.

ASSISTENTE DE MARCUS: “Almirante Marcus, uma transmissão de prioridade um a partir de Londres.”

HAREWOOD (na tela): “Almirante, senhor, eu tenho uma mensagem para você a partir de John Erickson. Ele disse que você sabe por que ele fez isso.”

Zoom rápido para Marcus atordoado e depois um close no anel  daAcademia da Frota Estelar de Harewood, um artefato explosivo cai em um copo de água.

Os editores Maryann Brandon e Mary Jo Markey falaram sobre a eliminação desta cena nos comentários do iTunes.

Markey: . “Esta cena costumava ser, em sua forma original, um telefonema para o nosso Almirante, dando-lhe uma mensagem do vilão, do personagem de Benedict. Sentimos que era muito importante não introduzir o Almirante, de qualquer forma ou deixar uma pista sobre quem ele se tornaria mais tarde no filme. Percebemos que segurá-lo por muito tempo seria mais chocante”.

Brandon: “Também estávamos com medo de que ele poderia levantar suspeitas.”

Markey: “Sim, e assim, você quer segurar o cara que é suposto ser o chefe da Frota Estelar e apresentá-lo de uma forma mais majestosa, semi-oficial.”

Existem duas grandes coisas a se notar nesta cena – em primeiro lugar, o nome de “John Erickson” para o personagem de Benedict Cumberbatch. Esta é uma referência para o início do roteiro de Space Seed com um vilão chamado “Harold Erickson”, que mais tarde seria alterado para Khan Singh após Ricardo Montalban ser escalado para o papel. É provável que este nome tenha sido mudado para “John Harrison”, quando os esforços para esconder a verdadeira identidade de Cumberbatch foram incrementados durante a produção do filme.

NCC-0718Obviamente, a segunda surpresa nesta seqüência é a gigante nave classe Constitution pendurada acima da mesa de Marcus, a USS Biddeford (NCC-0718). O design da própria nave levanta várias dúvidas sobre sua existência no universo alternativo ou como um projeto original. Biddeford é o nome de uma pequena cidade nos EUA, mas não se sabe o seu significado na cena.

O número de registro também é de interesse. O número NCC 0718 aparece aqui, em outra nave ancorada na Terra. O ator Joseph Gatt disse no twitter que este número é muito significativo para J. J. Abrams, sem especificar o que seria.

Cena 5 – O sotaque de Carol Marcus explicado

stid deletada 8

Todos os fãs perguntam porque Carol Marcus acabou britânica neste universo alternativo, aqui está a conversa explicativa que foi cortada do filme.

VERSÃO ORIGINAL:

Capitão Kirk pega Carol Marcus pelo braço, acompanhando-a pelos corredores da Enterprise.

CAROL: “Os torpedos estão no compartimento de armas?”

KIRK: “carregados e prontos para disparar. Quais são eles?

CAROL: “Eu não sei, é por isso que eu pensei que poderia me transferir para a sua nave para descobrir.”

Carol se vira, parando.

CAROL: “eu peço desculpas por isso. Se te causei algum problema, eu sinto muito. Eu sou Carol Marcus.”

KIRK: “James Kirk.”

CAROL: “(lembrando) Torpedos.”

Ela se vira rápido, descendo as escadas e atravessando a passarela na sala de máquinas.

KIRK: “A baía dos torpedos está na outra direção.”

CAROL: “Sim, eu estou bem ciente.”

Kirk fica aborrecido com sua trapaça, de se fazer passar por uma oficial inglesa.

KIRK: “Olha, você pode dispensar o seu sotaque, tudo bem?

CAROL: “Não, isso é real. Meu pai estava estacionado em Londres, quando eu nasci, e minha mãe me criou lá.

KIRK: “Assim, estes torpedos – eles são do seu pai? Você está investigando seu próprio pai?

A dupla chega no hangar.

CAROL: “Quando entrei para a Frota Estelar, tive acesso a todos os programas que ele supervisionou. Ouvi dizer que ele estava desenvolvendo esses torpedos protótipos – quando fui para confrontá-lo sobre isso, ele sequer me viu. Foi quando eu descobri que os torpedos tinham desaparecido de todos os registros oficiais.

KIRK: “Então ele deu a eles a mim.”

Cena 6 - Conversa prolongada com Klingon

stid deletada 9

A versão original do encontro de Uhura com os guerreiros klingons tinha um tom decididamente diferente da conversa tensa que conseguiu entrar no corte final do filme.

VERSÃO ORIGINAL:

Uhura: “(Em Klingon) Quem atirou na minha nave?”

O comandante Klingon silenciosamente se aproxima.

Uhura: “(Em Klingon) Eu estou aqui à procura de alguém. Alguém que roubou de mim.”

O comandante Klingon tira o capacete.

Dentro da nave de reconhecimento, Kirk, Spock assistem ao encontro.

KIRK: “Eu não gosto disso.”

KLINGON COMANDANTE: “(Em Klingon) E esse ladrão é um Klingon?”

Uhura: “(Em Klingon) Sim. Ele era meu amante … e agora ele se esconde nessa cidade deserta. Um covarde.”

Ela sorri desafiadoramente, mostrando ansiosa para ter sua vingança.

Uhura: “(Em Klingon) Eu vim para encontrá-lo e tomar de volta o que é meu.”

O comandante Klingon agarra Uhura pelo pescoço.

KLINGON COMANDANTE: “(Em Klingon) Você mente!”

Dentro da nave, Kirk corre para o armário de armas.

SPOCK: “capitão?”

KIRK: “eu vou entrar!”

Lá fora, Uhura mantém-se firme.

Uhura: “(Em Klingon) Então me mate. Pelo menos eu vou morrer com honra!

Como o Klingon olhando profundo nos olhos, Kirk se lança para fora da nave, disparando contra o resto dos guerreiros. Uhura fica surpresa.

Uhura: “(em Inglês) Merda.”

Aproveitando a distração, Uhura pega uma faca do cinto do Klingon e apunhala-no na perna. A luta começa.

Cena 7 – A Luta em Kronos

stid deletada 0

Continuando com a seqüência dos Klingons, a equipe é colocada em uma situação difícil.

VERSÃO ORIGINAL:

A luta é longa, e dois Klingons têm Kirk no chão. Um deles coloca uma bota no pescoço de Kirk e mira um rifle na cabeça dele.

O resto da equipe – Spock, Uhura, e um guarda – saem da cobertura, entregando-se para salvar seu capitão. O comandante Klingon grita para seu subordinado.

Uhura: “(Grita) Não!”

O  segurança da Frota Estelar recebe um tiro de rifle no peito, caindo no chão. Os olhos de Kirk ficam arregalados de surpresa assim como Uhura que violentamente luta contra seu captor Klingon. O comandante Klingon, em seguida, dá a ordem para matar Kirk – quando explosões de energia voam para fora do nevoeiro, matando Klingons. Khan chegou.

Cena 8 - Scotty Conversa com o Controle do Hangar

stid deletada 7

Um dos grandes questionamentos que a audiência teve com a Seção 31 em Além da Escuridão foi a facilidade com que Scotty foi capaz de se infiltrar no top-secret hangar da USS Vengeance orbitando Júpiter. A cena original mostra que ele teve de blefar para poder entrar.

Scotty voa acima da estação na Lua de Io, seu transporte é um minúsculo pontinho contra a construção maciça da Seção 31. Ele paira sobre a borda da estação, vendo como um grande conjunto de portas do hangar abertas para permitir uma flotilha de pequenas naves de apoio entrar.

VERSÃO ORIGINAL:

COMUNICAÇÃO DA ESTAÇÃO: “Delta Team, desliguem seus propulsores para atracarem na Doca  12.”

COMUNICAÇÃO DO SHUTTLE: “Tripulação da USS Vengeance, solicitando entrada para o hangar de construção.”

Scotty quebra o silêncio de rádio, e começa a blefar seu caminho para entrar.

SCOTTY: “Aqui é … a Copérnico . Eu tenho o …(usando de improvisação)… casco de revestimento e as células de café para os sintetizadores de alimentos.”

ESTAÇÃO: ” Nave Copérnico, não temos você em nosso registro.”

SCOTTY: “Que diabos, você acha que estou fazendo aqui? Hum? Você acha que só aconteceu de eu estar em cima de uma caixa enorme e pensei em dar uma olhadinha? Não! Eu tenho um trabalho a fazer! Posso voltar, se quiser. Apenas me dê o seu nome, eu vou dizer a eles que me enviou.”

Uma longa pausa.

ESTAÇÃO: “Naves de abastecimento, estão liberadas para entrarem. Você também, Copérnico.

O Copérnico se junta ao resto das naves em sua jornada para o grande hangar. Scotty olha para a nave enorme contida dentro da estrutura, e fica de queixo caído de surpresa.

Cena 9 – O encontro com os Harewoods

STID deletada 2

Esta cena extra mostra Kirk encontrando mãe e filha do oficial da Frota Thomas, durante a cerimônia. Uma cena muito curta.

VERSÃO ORIGINAL:

Após a cerimônia memorial na sede da Frota Estelar, Kirk se aproxima de seus oficiais, quando ouve uma mulher chamando-o na multidão.

É Rima Harewood , esposa de Thomas Harewood.

RIMA HAREWOOD: “Capitão Kirk?”

Kirk se vira e vê uma mulher com uma jovem, Lucille, ao seu lado.

RIMA HAREWOOD: “Obrigado por suas palavras.”

KIRK: “De nada.”

Kirk olha para a menina, estende a mão para cumprimentá-la.

KIRK: “Hi.”

LUCILLE HAREWOOD: “Hi.”

Os dois se olham por um momento, um sorriso no rosto.

KIRK: “Com licença”.

O capitão se vira e vai para seus colegas de tripulação a sua espera.

Fonte: TrekBrasilis